REVIEW: "Mulan" (2020)


Eu estava completamente certa de que mais um live action da Disney acabaria decepcionando... E eu adoro estar certa. Mas estou muito feliz de ter errado com "Mulan".

Já faz um tempo que a Disney tem apostado em live actions dos seus maiores sucessos como "Cinderela", "A Bela e a Fera" e "Aladdin". Não vamos falar de "O Rei Leão" porque esse delírio coletivo não terá espaço aqui.

Mas, para que tanto live action de animações que passaram anos e anos atrás? Pois bem. Muitas das histórias, por mais que a gente ame, são tidas hoje em dia como "problemáticas", cada uma no seu quesito... E entendo que a Disney queria recontar cada história ou "consertar" aspectos que hoje em dia não são tão bem vistos e geram mal estar em algumas pessoas ou culturas.


Então vamos à "Mulan".

Quando a animação foi lançada em 1998, a Gabi-criança não deu muita bola para o filme. Assisti, mas não me encantou como outros tipo "A Pequena Sereia" e "A Branca de Neve". Já mais velha, assisti outras vezes e aí sim o filme me pegou de jeito

"Mulan" não é uma história de princesas em perigo esperando o príncipe chegar e salvá-la dos vilões. Não. "Mulan" é uma história de empoderamento (antes da gente começar a usar o termo mais popularmente). É a história de uma menina que coloca o amor pela família acima de tudo e passa por cima de questões importantes da cultura  em que vive para que seu pai, já de idade e debilitado fisicamente, não vá para a guerra contra os hunos. 

O enredo do live action não foge muito da trama principal, mas traz algumas mudanças na história e no sumiço de personagens da animação e aparecimentos de novas figuras. Agora temos 3 personagens "novos" e um vilão diferente.

Xianniang (the Witch): é uma poderosa "bruxa" que tem a habilidade de se transformar em outras criaturas e também é aliada do vilão Böri Khan.


Böri Khan: diferente do vilão da animação (Shan Yu - líder dos hunos), Böri é o líder dos rouranos e vai até a Cidade Imperial em busca de vingança pela morte de seu pai. Fica bem óbvio que a caracterização dele é inspirada em Shan Yu.


Honghui: assim como o Li Shang na animação, Honghui chega para ser o "par romântico" de Mulan no filme. Ele é um recruta ambicioso e confiante que se junta ao grupo do comandante Tung para enfrentar o exército de Böri Khan. Claro que ele se torna aliado de Mulan e rola um climinha entre os dois. 


Cricket: também é um recruta do exército chinês e vem para preencher a ausência do grilo que Mulan ganha da avó na animação. No filme, ele mesmo conta que por ter nascido numa dia em que a lua estava numa posição favorável, sua mãe o considera um amuleto da sorte.


Para ser bem sincera, a ausência do Mushu não me afetou ao assistir o live action. Por ter um estilo diferente da animação, não vi como o personagem poderia entrar na trama sem interferir nesse novo tom dado à história. "Mulan" foge do que estamos acostumados com as outras princesas, é uma história mais política e menos conto de fadas (assim como "Pocahontas") e sempre achei que a animação nos fazia pensar em temas sérios (e talvez por isso não tenha gostado tanto quando era criança, só tendo a maturidade necessária para entendê-lo quando fiquei mais velha). Dito isso, não, a ausência de Mushu não me incomodou e para mim até ajudou a dar mais "voz" para Mulan e para todas as tomadas de decisões dela, por ela mesma. Mas, para os que ficaram tristes com a retirada do personagem, ele é lembrado em alguns momentos com referências feitas a suas falas na animação (ver foto mais abaixo).

Em relação às músicas, sinto a mesma coisa. Não achei que o filme pedia cenas de cantoria nem aquelas cenas em que a música conta um pouco da história. Acho que, mais uma vez, destoaria do tom adotado para esse live action e para essa história  em específico.

No entanto, fiquei bem contente em como foram feitas as referências às músicas da animação. Em algumas cenas, partes das letras das músicas ou o próprio título das canções eram citados em forma de falas por personagens como Hua Zhou (pai de Mulan), comandante Tung e até da própria Mulan. Além disso, algumas das músicas mais conhecidas como "Honor to Us All" e "Reflection" aparecem no live action em diversos momentos como música de fundo, somente com o instrumental. 


Uma das coisas que mais gostei do live action foi a inclusão de cenas da infância da Mulan. Nelas, vemos um pouco da criação da menina, a relação dela com a irmã e com os pais, e somos apresentados já de cara ao jeito mais "molecona" que ela tem (ou simplesmente à criança Mulan - que quer brincar, correr e não está preocupada em se comportar como uma moça para ser bem vista na sociedade e achar um marido). Ali já somos introduzidos aos costumes e regras dessa cultura, que não aprova a liberdade e o controle que Mulan quer ter sobre sua vida.


Outra coisa que me deixou bem contente em relação ao live action foi a caracterização dos personagens e o figurino. Uma das cenas que eu mais esperava ver foi a da preparação da Mulan para ir na casamenteira e a Disney não decepcionou. O figurino, tanto dessa cena, quanto do resto do filme é belíssimo. Dá para notar que foi feita uma pesquisa muito extensa em relação a cores, tecidos e detalhes e funcionou muito bem visualmente. A animação de 1998 é bem colorida, as cores saltam da tela, e o live action não deixou a desejar, entregando as mesmas cores fortes.


Essa foi uma das cenas que mais me chamou atenção em relação às cores.
Toda essa filmagem e edição estão lindíssimas.

Isso se nota também na escolha das locações e nos takes feitos de cima. As imagens são grandiosas e os locais são maravilhosos. Mesmo sendo quadros imensos, que ocupam a tela inteira, todos têm uma delicadeza na filmagem e uma preocupação em fazer imagens realmente cativantes.

     

Uma cena que quero destacar é quando Mulan toma banho no rio. O tom é bem diferente da animação e confesso que adorei justamente por ser uma cena mais escura e pela delicadeza que a árvore cerejeira que está no canto traz. 


Também achei um acerto da Disney a "cara limpa" de Mulan ao longo do filme, diferente das outras princesas nos live action, que estão sempre belíssimas e maquiadas. Claro que aqui temos Mulan treinando no exército, subindo montanhas carregando baldes d'água, lutas de espada e perseguições a cavalo. Tudo isso poderia ser feito com a "pose" de sempre das princesas, mas não, o filme fez questão de não embelezar e manter sempre produzida a personagem principal, como vemos muitas vezes em outros filmes. 

Outra cena que adorei e quero mostrar para vocês, é quando Mulan entende que precisa ser ela mesma se quiser ser aceita e começa a se "desmontar" do rapaz que criou para poder se infiltrar no exército chinês. De longe foi uma das minhas cenas preferidas do filme. Todo o processo de aceitação de quem ela é, de se impôr em relação ao que os outros dizem sobre quem ela pode ser ou não, acontece nessa cena. É nessa cena também que "Reflection" toca ao fundo e para mim não deixou de ser menos emocionante por não tem alguém cantando. Achei uma ótima adaptação da música trazida da animação e um grande momento de crescimento do personagem.


Dito tudo isso, sim, eu adorei o live action de "Mulan". Dentre todos os live actions já produzidos pela Disney, ele só perde para "Aladdin". A primeira hora do filme passa voando e eu  nem senti. A segunda hora já dá uma desacelerada e parece levar mais tempo, mas acho que isso acontece porque "Mulan" não é uma história com muitas reviravoltas e grandes contra-tempos. Acho uma história bem direta e o filme mostra isso também. Ele conta a história e pronto. Não tem enrolação, não tem grandes cenas profundas, e nem por isso ele peca em emoção e percepção de assuntos importantes.

Para mim, o que mais me agrada em relação à "Mulan" é a narração de uma grande e forte história, com temas bem mais sérios e políticos que outras animações Disney sendo feita de uma forma tão delicada e sutil.

A Disney segue assumindo grandes riscos ao trazer live actions de animações consagradas e queridinhas do público e para mim, com "Mulan" o risco está definitivamente pago.

A única coisa que acho uma pena é não ver essas grandes cenas em tela grande.

Estrelas da Gabi: ⭐⭐⭐⭐⭐

Já assistiu à "Mulan"? Conta aqui nos comentários o que achou do filme!
E se você viu e não gostou, só tenho uma coisa a dizer:


Brincadeiras à parte, toda opinião é válida! 

Me sigam no Instagram para mais conteúdos!
E no YouTube para vídeos das rides, dos parques e dos hotéis!

ºoº

Postar um comentário

2 Comentários

  1. CINTIA ALBUQUERQUE07 setembro, 2020 12:19

    Eu nem sabia que Mulan já tinha saído! Está passando onde? Estou louca pra ver e sua resenha só me deu mais curiosidade. Eu gosto dos live actions da Disney. Só não gostei de Cinderela e Rei Leão. Aladim eu AMEI.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, saiu dia 4 de setembro no Disney+! Ahhh que bom que gostou ad resenha! E também não gostei de "O Rei Leão".... nem considero aquilo ali, haha.

      Excluir